6 de outubro de 2008

Reflexão

Como num grito, reclamo o que já fui. Esqueço-me de que andar para trás é atrasar-me eu, eu, esforço-me por evoluir. Tenho saudades do que ficou ontem guardado, tenho saudades de tudo o que disse, tudo o que fiz, tudo o que vi, tudo o que fui. Saudades, apenas isso, saudades. Sou o Eu de agora, e é este que tenho de viver. Com tudo o que tenho, ou não tenho, resta-me viver de acordo com aquilo que acredito, e isso, dinheiro nenhum pode comprar. Que me dêem a mão os que ainda em mim acreditam. Os outros? Lembrem-se sempre, julgar os outros é fácil, difícil é viver.

Boa sorte!

2 comentários:

*alma de poderosa* disse...

sejamos fieis as nossas crenças e principios!a felicidade começa ai...

I'm a Saint! disse...

As saudades aprisionam-te? Ou talvez não haja muito no presente. Continuar em frente e acreditar que irá melhorar.